Foto: Fernando Dias - Cessna C150 da Bras Flight em Caruaru-PE

A falta de uma escola de aviação prejudica formação de aviadores no Cariri cearense

Desde que o aeroclube do Cariri fechou suas portas, poucas oportunidades para formação aeronáutica estiveram presentes na região do Cariri. Entretanto nem uma destas tiveram sucesso, o que amedrontou os investidores do setor, deixando esta região de lado.

Cursos a distância chegaram a atuar na região, mas os alunos preferem cursos presenciais, já que sua dinâmica é muito maior. Até falsificação de escola de aviação já ocorreu por aqui, em 2013 uma escola de Goias veio dar aulas para piloto privado na região, chegando a fazer comercial em uma rede de televisão local, mas o curso durou apenas dois meses onde os proprietários fugiram com o dinheiro dos alunos deixando-os no prejuízo. Até o presente momento não houve mais iniciativa para reabrir uma escola de aviação na região, fazendo com que os futuros aviadores busquem o estudo auto didático ou formação fora da região.

Mas por que não investir em uma escola fixa na região? Terá demanda para este empreendimento?

A aviação é um ramo que encanta todos que se envolvem com seu meio, até mesmo aqueles que antes não gostavam ao ter contato passam a amar este ramo, por vários motivos. Várias destas pessoas passam a buscar um aprofundamento na área, buscando ser comissário de bordo “aeromoça”, piloto, mecânico, controlador de tráfego aéreo, agente de aeroporto, entre outros cursos. Mas muitos destes desistem ao se deparar com os custos da formação, o que é caro e não existe na região do Cariri.

Desde 2012, onde o Aviadores do Cariri foi oficialmente criado, juntamos diversos aviadores da região, formando um grupo de aviação, dentre os membros, muitos querem seguir carreira e pequena parte apenas admira a aviação. O fato que assusta muitos é não existir um centro de formação na região. Os locais mais próximos para formação teórica e prática são apenas Campina Grande, Recife, Natal e João Pessoa. entretanto Fortaleza e Caruaru respectivamente só têm curso teórico e prático.

Campina Grande é referência nacional na formação de aviadores. Além de contar com uma faculdade de Ciências Aeronáuticas, homologada pelo MEC-Ministério da Educação e ANAC-Agência Nacional de Aviação Civil. Tem sua própria escola de aviação civil, e ainda curso de mecânico de aeronaves ministrado pelo SENAI-PB. Já Natal e João Pessoa ainda ministram os cursos pelos famosos aeroclubes do antigo DAC, que hoje é ANAC, onde extinguiu para tornar escola de aviação, que é privada e não mais do governo como aeroclubes. Fortaleza teve sua falência das aulas práticas do seu aeroclube devido ao elevado custo de hora de voo, pois sediava o aeroclube no aeroporto Internacional Pinto Martins, ficando assim apenas curso teórico. Recife  hoje conta com escolas teóricas e práticas, sendo este sediado na cidade de Igarassu-PE.  Caruaru hoje abriga uma escola que era de Recife e se mudou para lá após o fechamento do aeroclube do Pernambuco, entretanto só é ministrado o curso prático para pilotos.

Fora estas localidades a região do cariri regiões vizinhas  não tem uma escola de formação aeronáutica, e Juazeiro, por se localizar quase no centro entre as principais capitais do Nordeste, tem um local estratégico para reabrir uma escola de aviação.

A ANAC que regula a formação de aeronautas, afirma que para abrir uma escola de aviação é necessário ter estruturas conforme aos seus requisitos e investimentos mínimos que sustentem independente as finanças da instituição. Para a homologação dos cursos é necessário antes, construir o prédio da escola conforme os parâmetros exigidos e solicitar a devida homologação da escola, em caso de aulas práticas, a agência exige vistoria das aeronaves e apresentação do quadro de profissionais que irão ministrar os cursos. Hoje em dia o investimento mínimo para abrir uma boa escola de aviação está em torno de R$800.000,00 para cursos práticos e teóricos, pois as aeronaves custam cada em média de R$100.000,00 à R$300.000,00, ou até mais dependendo do modelo, ano de fabricação e requisitos para voos. O investimento de três aeronaves Cessna C152 é suficiente para manter uma escola de aviação competindo com todas demais do Nordeste, a aquisição destas três aeronaves sairá em torno de R$500.000,00 os outros investimentos serão apenas em estrutura e finanças para a escola. Mas para cada tipo de carteira de voo é exigido um treinamento, se a escola desejar ministrar todos estes cursos é importante ter uma aeronave fixa para cada tipo de carteira.

Para os cursos de comissários, agente de aeroporto é necessários apenas a estrutura para cursos teóricos, e se possível partes de aeronaves para simulação de emergência na evacuação de aeronaves.

O mercado do cariri tem sim um potencial para abrir uma escola de aviação com os cursos bases da formação aeronáutica, o que mais falta é o investimento de empresários da região. Acreditamos que a união de certos empreendedores podem abrir uma escola de aviação no próprio aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, sem precisar construir uma pista própria ou estrutura independente. Para isso é necessário entrar em contato com a INFRAERO, administradora do aeroporto para analisar as possibilidades. A criação de uma pista de pouso é algo mais complicado pois necessita de homologação, o que torna o processo mais caro.

Para fins de dúvidas deixaremos disponíveis alguns documentos que mostram as exigências para homologação de uma escola. E uma relação completa de todas as escolas homologadas no Brasil pela ANAC, com seus endereços postais e eletrônicos.

Requisitos para abrir uma escola de aviação.

Lista de escolas de aviação “clicar apenas em buscar”

 

Sobre Fernando Dias

Fernando Dias
Aluno de Piloto Privado de Avião, estudante de Geografia na Universidade Regional do Cariri. Nasceu em Barbalha-CE e atualmente mora na cidade de Juazeiro do Norte-CE.
  • Héctor Enrique

    otima materia

  • Vlademi Sanches

    Muito bom!
    Sou do cariri e tenho esse sonho de ser piloto.