Aflorando um sonho – Valdeene Pereia

Olá Pessoal!

Seguindo o ritmo de divulgação e promoção do “Outubro Rosa”, campanha para prevenção do câncer de mama, nos inspiramos no tema e iremos trazer hoje uma história diferente sobre experiências de vida no mundo da aviação. Vejamos o relato da Valdeene Pereia, juazeirense que está se formando no curso de comissária de bordo:

unnamed3
Depois de perder a mãe vítima de câncer e receber a atenção de aeromoças neste triste momento de sua vida, Valdeene decide anos depois fazer o curso de comissária.

Quando eu tinha 11 anos, eu descobri que minha mãe tinha câncer, entre idas e vindas, me pediram para avisar a minha irmã mais velha que mora em São Bernardo do Campo-SP. Ela foi operada no dia 17/07/2007, dia que ocorreu o acidente com o avião da TAM Linhas Aéreas no Aeroporto de Congonhas em São Paulo. Por um lado eu torcia pela recuperação da minha mãe, e por outro meus olhos eram atentos tentando entender o que havia acontecido com a aquele avião. Foi então no ano seguinte que tive meu primeiro contato com o aeroporto de Juazeiro, quando minha irmã veio nos visitar. Lembro como se fosse hoje quando chegue no terminal de passageiros em uma noite fria de um domingo, 31 de março, mesmo assim eu estava encantada, dois aviões da companhia Ocean Air, atual Avianca, um parado e outro taxiando para decolar. Aquilo era tudo novo, nunca tinha ido em um aeroporto antes, a minha irmã desembarcou, sendo uma das últimas, e lembro que o meu pai me falou: “olha lá, aquelas são as aeromoças, elas cuidam da segurança do voo, bonitas né?”. Eu arregalei os meus olhos em direção a trip que estava passando por nós. Minha irmã voltara algumas vezes para nos visitar, passando-se então alguns meses meu pai teve que viajar e eu já estava bem abalada emocionalmente com tudo que estava acontecendo, e fui ao aeroporto mais uma vez, mas dessa vez uma funcionária do aeroporto me falou: “calma vai ficar tudo bem, você parece até uma aeromoça, mas elas são fortes não ficam chorando, vai ficar tudo bem”. Essas foram as palavras da moça, aos quais me confortaram bastante, quando fui me despedir do meu pai. Uma linda aeromoça ia passando e falou “não fique assim, nós vamos cuidar do seu pai e trazê-lo de volta com a mesma segurança que ele estar sendo entregue a nós”. Eu acabei soltando um “quando crescer quero ser igual a você”.

unnamed2
Valdeene Pereira hoje conclui seu curso de Comissária de Bordo em uma das melhores escolas de aviação em São Paulo e se prepara para as provas da ANAC.

 

No ano de 2010 quando minha mãe acabou falecendo em decorrer da doença voltei ao aeroporto duas vezes, uma pra encontrar minha irmã um vez antes de minha mãe falecer e outra depois quando eu fui busca-la, pois iria morar com a mesma em Setembro de 2010. A sementinha da aviação já havia sido plantada em mim, eu era uma criança mas eu percebi o quanto vale a pena quando você trabalha com amor e com o que ama. Já aqui em São Paulo, vou  com frequência em Congonhas e Cumbica (Guarulhos), fiz um evento no Aeroporto Internacional de Guarulhos, o que foi de extrema importância pra eu me decidir o que seguir de profissão. Quando terminei meu ensino médio, tentei ser engenheira, contadora, design de moda, mas nada que eu fizesse iria me deixar tão feliz quanto ver um avião. Foi ai que decidi estudar pra comissária de voo, cheguei na minha irmã pra  conversar isso, ela me parou e falou “eu ia justamente falar isso pra você.” Comecei o curso de comissária de voo e me formo em novembro de 2015.
Eu hoje digo com todas as letras que “EU AMO O AEROPORTO JDO”, pois foi meu primeiro e inesquecível contato com a aviação, se não fossem o carinho por parte da equipe em terra, por parte das comissárias, eu não teria me tornado uma apaixonada por aviação, eu não teria essa dedicação com as pessoas, pois foi isso que aprendi com aquela comissária que sentou, me acalmou e  me tranquilizou, sou grata a vocês. Tenho muita vontade de trabalhar no Aeroporto daí, pena que moro longe. Mas espero poder retornar a bordo de alguma companhia aérea. Obrigada!

Se você tiver alguma história parecida sobre o Aeroporto de Juazeiro do Norte e queira compartilhar conosco envie-nos um email para [email protected] com sua história que iremos ler e se possível conta-la aqui no site!

Sobre George Wilson

George Wilson
Fotografo, amante da aviação e spotter nas horas vagas. Cursando ciências sociais, com experiencia na área de relações humanas. Colaborador junto com a equipe Aviadores do Cariri